ABiogásNews | Junho 2019

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin
[:pb]

DESTAQUES

publicado em 05/06/2019

 

Promover um negócio com preço competitivo, rentável e com propósito de sustentabilidade. Assim a Companhia de Gás do Ceará (Cegás) está fazendo história no Brasil e no mundo. A empresa foi a primeira distribuidora a injetar biometano, também chamado de Gás Natural Renovável (GNR), em gasodutos brasileiros e, atualmente, toda a sua rede de distribuição conta com aproximadamente 15% de biometano, ficando à frente de países como os Estados Unidos, referências no setor, com 2%.

O biocombustível da Cegás é gerado a partir da decomposição de resíduos orgânicos depositados no Aterro Sanitário de Caucaia e segue o padrão estipulado pela ANP para o biometano. Segundo o presidente da distribuidora, Hugo Figueirêdo, o consumidor não consegue distinguir o biometano do gás convencional: “os dois gases se comportam da mesma maneira, havendo apenas uma pequena diferença no valor calorífico, mas esse ponto é imperceptível ao cliente” afirmou.

Desse modo, o biometano vem ganhando corações, visto que, além da geração de energia, ele evita que mais de 610 toneladas de CO2 sejam lançadas na atmosfera anualmente. “Esse valor equivale à retirada diária de mais de 800 mil litros de diesel do setor de transportes. Isso contribui para minimizar a emissão de gases de efeito estufa, contribuindo positivamente para as futuras gerações” explicou Figueirêdo.

Para reforçar a sustentabilidade das operações, a Cegás lançou junto aos seus usuários o Selo Verde. “A iniciativa é uma maneira de agregar valor aos detentores da premiação para que esses sejam reconhecidos como clientes de um tipo de energia mais limpa, inovadora e eficiente” informou o presidente.

Essa história de inovação e boas práticas começou em um projeto piloto no qual o primeiro cliente a receber o biometano foi a Cerbras – Cerâmica do Brasil. “A ANP ainda não tinha uma regulação para a especificação do biometano oriundo de aterros sanitários e estações de tratamento de esgoto, por esse motivo, foi necessário alinhar todos os passos para o sucesso da operação”, relatou o presidente. A Cegás estruturou a operação e fez a distribuição do biometano, a prefeitura de Fortaleza, por sua vez, viabilizou o acesso aos resíduos sólidos. Já a GNR Fortaleza montou a usina de produção e a cerâmica assumiu o compromisso de consumir o gás produzido. Após essa etapa inicial, a distribuição de biometano foi estendida a todos os clientes da Cegás.

Atualmente, a usina produz aproximadamente 75 mil Nm³/dia de biometano, e a previsão para 2020 é chegar a 90 mil Nm³. Como sua atividade contribui para a redução de gases do efeito estufa, a empresa foi certificada para comercializar créditos de carbono, espécie de moeda ambiental criada a partir da assinatura do Protocolo de Quioto, em 1997.

A Cegás, por sua vez, continua o seu trabalho de inovação e pretende buscar novas formas de obtenção de biometano. “Estamos sempre em busca de conhecimento e novas práticas, estimulando pesquisas e ações envolvendo a academia e setor privado para o desenvolvimento de tecnologias inovadoras para a matriz de energias limpas e sustentáveis”, finalizou Figueirêdo.

 

 

RESUMO DAS NOTÍCIAS

publicado em 05/06/2019

 

Em maio, acompanhamos o resultado do leilão para o suprimento de Roraima realizado pela ANEEL. Na ocasião, houve a contratação de 293,8 MW de potência nominal e 48,7 MW médios de energia inflexível. A expectativa de investimento é de R$ 1,62 bilhão nas plantas que envolvem a combinação de fontes térmicas (diesel, biomassa e gás natural e biocombustível) e solar. Não houve contratação no produto energia.

Dos 156 empreendimentos cadastrados, nove se habilitaram para fornecer energia para Boa Vista e outras localidades conectadas. Entre as geradoras, oito terão contratos de 15 anos por trabalharem com gás natural ou fontes renováveis. Já a Monte Cristo terá contrato de sete anos e vai gerar a partir de óleo diesel, oferecendo 42,2 MW de potência.

A Azulão habilitou um empreendimento de gás natural, se tornando o maior fornecedor da disputa, com 126 MW de potência. A Uniagro, por sua vez, vai oferecer eletricidade a partir de quatro plantas de biomassa de resíduos de madeira. A Enerplan e a BBF venceram a disputa com empreendimentos híbridos de biocombustível e energia solar. A BBF também vai fazer o fornecimento com outra planta quem mescla biocombustível com biomassa. O início do suprimento está previsto para 28 de junho de 2021.

Roraima recebia energia da Venezuela, com complementação de geração térmica local. Com a crise entre o Brasil e o país vizinho, desde 7 de março, o fornecimento de energia foi completamento interrompido. Com isso, a região de Boa Vista vem sendo abastecida integralmente com a geração térmica local.

Agora no setor de distribuição, além da Cegás, que já injeta aproximadamente 75 mil metros cúbicos diários na rede, outras distribuidoras estão atentas ao mercado. A Companhia de Gás do Rio Grande do Sul (Sulgás) lançou edital para recebimento de propostas de suprimento de biometano. A meta é contratar três lotes para fornecimento total de 22 mil metros cúbicos diários. Já no oeste paulista, as obras para o gasoduto que distribuirá biometano para Presidente Prudente e Pirapozinho se iniciam em agosto. A previsão é que a tubulação esteja pronta no segundo semestre de 2020.

No campo legislativo, uma nova Frente parlamentar composta por 207 senadores e deputados foi lançada nesse mês. Com a presidência do deputado Lafayette de Andrada (Republicanos/MG), a equipe promete debater marcos regulatórios do setor elétrico e quer promover um novo Código Brasileiro de Energia Elétrica.

Novidades também no setor de transportes. Durante a Agrishow 2019 e ExpoBiogás 2019, a Scania apresentou a nova geração de caminhão com cinco motores movidos a combustíveis alternativos: GNV/biometano (com três opções, de 410, 280 e 340 cv) e bioetanol (com duas opções, de 400 e 280 cv). Devido à alta pressão dos motores, há economia de diesel de até 12%. A empresa anunciou também, juntamente com a Citrosuco, a primeira demonstração de um caminhão abastecido com GNV ou biometano. O modelo faz a rota Matão-Santos levando suco de laranja para exportação.

 

ESTÁ POR VIR

publicado em 05/06/2019

 

Biomassa 
Congresso Internacional de Biomassa será realizado em Curitiba, capital do Paraná, durante os dias 25, 26 e 27 de junho. Na ocasião, serão discutidos o atual cenário da Matriz Energética Nacional e temas ligados a geração de energia a partir da biomassa no Brasil e no mundo. No dia 26, a programação será voltada para o biogás no auditório Paraná, com debates sobre a importância do negócio, novas plantas, resíduos sólidos urbanos dentre outros. Anote na agenda!

 

Ciclo de Debates IBP

No início de julho, o Rio de Janeiro será palco de mais uma edição do Ciclo de Debates produzido pelo Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (IBP), em parceria com a Empresa de Pesquisa Energética (EPE). O tema a ser discutido no dia 2 será Mudanças Climáticas e Eficiência Energética. O evento terá a participação da presidente do CEBDS, Mariana Grossi, presidente da Siemens, André Clark, presidente da Eletronuclear, Leonam Guimarães, e do presidente da Raizen, Luis Henrique Guimarães.

No encontro, é possível acompanhar a explanação de especialistas sobre transição energética e saber sobre novas tecnologias que confiram maior eficiência energética e de emissões à indústria. Os debates ocorrem bimestralmente e os próximos temas são: Matriz Energética, Mobilidade e Imagem da Indústria.[:]

Comente aqui:

Sobre a Abiogás

Desde 2013, a ABiogás é o canal de interlocução entre o setor de biogás e sociedade civil, os Governos Federal e estaduais, as autarquias e os órgãos responsáveis pelo planejamento energético brasileiro.

Posts Recentes

Curta nossa página: