BENU Engenharia aposta na área de energia renovável com projetos de reciclagem e purificação de gases

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Nova associada da ABiogás, empresa fechou parceria com grupo empresarial global que atua na purificação do biogás para biometano, e do biometano para hidrogênio

 
A energia renovável atraiu o interesse da BENU Engenharia, nova associada da ABiogás, que nasceu, em 2008, pela necessidade de prover ao mercado serviços especializados em gestão de programas e projetos multidisciplinares nos segmentos de óleo e gás, energia, siderúrgica e telecom. A guinada para a área verde foi recente, e já conta com a parceria de duas empresas globais que atuam no setor de purificação do biogás: a canadense Xebec, com soluções integradas e modularizadas para o tratamento e upgrade do biogás a biometano, e a holandesa Hygear, produtora de hidrogênio verde, azul e cinza, a partir da reforma do metano (gás natural ou biometano) a vapor ou eletrólise.
 
Em maio, a Xebec concluiu a compra da Hygear, que, agora, pertence ao mesmo grupo empresarial – coincidentemente, no mês em que a BENU assinou o contrato com a Hygear, expandindo a totalidade do contrato com as duas. 


“Desde o ano passado, eu me interessei bastante pela área da energia renovável, identifiquei oportunidades muito amplas a serem desenvolvidas e venho me dedicando a este ramo, não só na parte de serviço, mas agora também no fornecimento destas tecnologias como agente das duas empresas”, contou o diretor executivo da BENU, Humberto Gomes.

 
O primeiro projeto no Brasil, em fase de estudo preliminar de viabilidade, envolve um grande player do setor de vidros planos. Segundo Humberto, indústrias deste tipo consomem um mix de gases – como hidrogênio e nitrogênio – que, ao final do processo, por falta de uma solução de reciclagem, são desperdiçados. “Dentro de todo este conceito de economia circular, de reaproveitamento e redução de emissões, a ideia é trazer soluções viáveis para a recuperação destes gases e redução do custo operacional”, explicou.
 
Com esta visão, os projetos da BENU, em um primeiro momento, estão direcionados para plantas de pequena escala no setor industrial, sucroenergético e agronegócio.  “As soluções da Hygear para geração, purificação e reciclagem de hidrogênio, nitrogênio, oxigênio e mix de gases são muito capilares. Em vários segmentos da indústria, como vidro plano, aço, óleo e gás, qualquer indústria química, fertilizantes ou plantas de amônia há demanda por hidrogênio, porém, não em quantidades que justifiquem colocar uma planta de grande ou média escala”, ponderou.
 
O diretor da BENU planeja um modelo de negócios em que, dentro de um distrito industrial, poderia montar uma única planta que proveria os gases para três ou mais indústrias e fazer uma mini ou micro rede. “O objetivo das micro redes é garantir eficiência energética, com a melhor relação custo-benefício e confiabilidade”, afirmou.
 
Outro setor que poderia se beneficiar é o de políticas públicas, com a produção de oxigênio, por exemplo. “Recentemente, assistimos à situação crítica em Manaus, mas se o hospital tiver um equipamento – que não é muito grande -, para a produção de seu próprio oxigênio, o gás não faltaria e não dependeria mais de terceiros. Em locais isolados funciona muito bem”, avalia.
 
Diferenciais e nacionalização da produção
 
O modelo que a BENU idealiza, em futuro próximo é do de gas-as-a-service, ou seja, a planta é instalada dentro da área do cliente, que paga pelo gás consumido. Desta forma, a empresa contratante não teria que fazer um desembolso pesado inicialmente, mas, com um design life de 20 anos – considerado acima da média -, teria um modelo de negócios mais justificável e consequente compromisso com a eficiência energética de seus clientes.
 
De acordo com Humberto, a automação é o principal diferencial dos sistemas que a BENU representa, suficiente para garantir o padrão do biometano independente de variações de composição do gás na entrada. “Este é um grande diferencial em relação às tecnologias usadas, principalmente em processos, nos quais há mais variação de impurezas, na composição do gás bruto”, comentou.
 
Humberto conta que se dedicou a um longo processo de seleção e pesquisa para trazer algo que realmente agregue valor ao setor de biogás. Além disso, a nacionalização de tecnologias não protegidas por patentes é uma estratégia presente para garantir uma maior competitividade. “Para os primeiros projetos, vamos trazer a solução completa lá de fora, ou com o mínimo de nacionalização, e vamos aumentando a nacionalização com a evolução do negócio até cerca de 60% a 70% do projeto”, comentou.
 
Cultura e compartilhamento
 
De acordo com Humberto, a motivação para se associar veio do fato de considerar a ABiogás um centro de competências na matéria do biogás, capaz de compartilhar conhecimento e oportunidades de desenvolvimento. “É um trabalho em que a ABiogás se destaca de forma excelente: o aculturamento da indústria para estas novas oportunidades”, afirmou.
 
Para o diretor da BENU, o cenário de biogás hoje é muito promissor, e pode ser mais ainda quando integrado, tirando proveito de todas as sinergias possíveis, tanto com o gás natural, quanto com rotas tecnológicas para o hidrogênio. “O biogás e a biomassa estão disponíveis no interior, enquanto o gás natural é abundante no litoral, através de E&P de campos de gás e importação. Só que este último já conta com a infraestrutura de transporte e distribuição, enquanto a biomassa, que só precisa ser fermentada, ainda carece de infraestrutura. Mas já existem soluções no mercado que viabilizam a exploração deste potencial. Ou seja, o que precisamos é posicionar o biogás com todas as sinergias possíveis da nossa matriz energética, e com isso tirar o melhor proveito desta fonte de energia renovável”, concluiu.
 
A BENU Engenharia está localizada no Rio de Janeiro. Para conhecer mais, visite o site da BENU Engenharia. 

 

Comente aqui:

Sobre a Abiogás

Desde 2013, a ABiogás é o canal de interlocução entre o setor de biogás e sociedade civil, os Governos Federal e estaduais, as autarquias e os órgãos responsáveis pelo planejamento energético brasileiro.

Posts Recentes

Curta nossa página: