Seminário destaca o crescimento do biogás e a necessidade da valorização de seus atributos

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Sétima edição do Seminário Técnico da ABiogás reuniu especialistas que debateram os benefícios ambientais do energético para o setor elétrico e formas de precificá-los 

 

As vantagens do biogás para o sistema elétrico, principalmente neste momento de crise hídrica em que a diversificação das fontes se faz cada vez mais necessária, estiveram no centro dos debates da sétima edição do Seminário Técnico da ABiogás, realizado nesta quinta-feira, dia 10.
 

O evento, que contou com dois painéis, teve ainda a participação especial do deputado federal Arnaldo Jardim (Cidadania), vice-presidente da Frente Parlamentar de Energia Renovável (FER), que chamou atenção para a sustentabilidade e a previsibilidade do biogás. “O desafio de continuar suprindo a oferta de energia, de rever o peso dos encargos e conseguir diversificar as fontes rima com a condição de previsibilidade do biogás. Este é um setor que se construiu sem subsídio e com grande inovação tecnológica. A regulação também avançou, criando um ambiente mais favorável para que o biogás cresça na combinação de energias renováveis que o Brasil precisa”, comentou.

 

Abrindo o primeiro painel, Paulo Cunha, consultor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), falou sobre o potencial do biogás e suas vantagens para o setor elétrico. “O biogás apresenta as qualidades da geração distribuída, tem características próprias como a de não estar sujeito à volatilidade, e, importantíssimo, permite o armazenamento do seu energético primário, podendo, assim, ter sua produção programada”, ressaltou.

 

Thiago Ivanoski, superintendente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), lembrou que o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE) de 2030 prevê um crescimento do PIB de 3%, o que demandará um maior consumo de energia. “A partir de 2026, está prevista a necessidade de contratação tanto de energia, quanto de potência e, para isso, contamos com a expansão de fontes em que o biogás se insere, como a biomassa e o gás natural”, comentou.

 

Diretor de Planejamento do Operador Nacional do Sistema (ONS), Alexandre Zucarato afirmou que, com a baixa dos reservatórios, a grande vocação da matriz hídrica vem sendo complementada com outras fontes. “Hoje, 75% do atendimento se dá por meio de fontes inflexíveis, que podem ser intermitentes ou constantes. Portanto, o atributo do biogás de ser uma fonte confiável e estar próxima do centro de carga é uma enorme vantagem. O que precisamos é ter a conta do modelo econômico fechada”, avaliou.
 
Especializada na área de energia, a advogada Maria João Rolim trouxe uma visão jurídica capaz de fazer o biogás deslanchar na matriz energética. Ela chamou a atenção para o fato de que os atributos não estão restritos somente ao sistema elétrico, mas também são benéficos para outros setores, como a agropecuária, o saneamento e os transportes.
 
“O desafio é como articular o olhar do Ministério de Minas e Energia, que está à frente do debate, com as demais políticas de outros setores. Só assim vamos conseguir valorizar adequadamente os atributos do biogás para toda a sociedade. O que precisamos é de uma articulação institucional, na qual os agentes políticos tenham um olhar mais horizontal para a valorização destes atributos”, avaliou.
 
RenovaBio e Títulos Verdes
 
No segundo painel do dia, o RenovaBio foi citado como vitrine do que pode ser feito também no setor elétrico com o objetivo de precificar os atributos das fontes energéticas.
 
Luciano Rodrigues, assessor econômico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), falou sobre a relação entre preço e valor, lembrando que, para o consumidor, a questão dos benefícios ambientais usualmente não é incorporada à decisão de compra. “Hoje, estamos falando de garantir a oferta de combustíveis com preços baixos e redução de emissões. A dificuldade está em como precificar, mas no Brasil temos o RenovaBio, uma estrutura inédita e bastante avançada”, comentou.
 
Para Luciano, a expectativa é de que algo parecido seja feito no setor elétrico. “Deve-se reconhecer o potencial de todas as fontes, a fim de prevalecer aquelas que serão mais benéficas no quesito de preço e de redução das emissões. Lá na frente, vamos ter uma interação cada vez maior entre setor de energia e de transportes”, completou.
 
Diretor do departamento de Biocombustíveis do Ministério de Minas e Energia, Pietro Mendes explicou que o RenovaBio trata de todo o processo produtivo, incluindo cada usina individualmente. “É uma análise do ciclo de vida do poço à roda. A questão da terra, por exemplo, também é considerada. Desde 2018, o RenovaBio traz os critérios de elegibilidade da biomassa, entre eles o desmatamento zero. No caso do biogás não tem esta questão, já que é um combustível oriundo de resíduos, mas na produção de biocombustíveis pode haver supressão vegetal, o que passa a ser proibido na contabilidade do RenovaBio”, contou.
 
Pietro falou ainda sobre o projeto do Combustível do Futuro, que prevê a criação de Corredores Verdes para o biometano. “Esta é uma alternativa muito importante na descarbonização dos veículos pesados. O grande potencial está na substituição ao diesel, principalmente no setor agropecuário, que, hoje, corresponde a 14% do consumo de óleo diesel”, comentou.
 
Isabela Coutinho, analista ASG da SITAWI Finanças do Bem, falou sobre os títulos verdes e sua sinergia com o setor de biogás. Segundo ela, em 2020, mesmo durante a pandemia, houve um crescimento de 30% na emissão de títulos, com mais de 90 operações que somaram cerca de US$ 17 milhões.
 
“A concentração está na emissão de títulos para projetos de reflorestamento e energia renovável – solar, eólica e etanol de cana. Ainda não teve para o biogás, o que mostra um enorme potencial que segue inexplorado”, comentou.
 
Fechando o Seminário, o professor Gonçalo Pereira, da Unicamp, chamou atenção para o enorme potencial do biogás no Brasil, defendendo uma mudança de cultura para que o energético seja mais bem aproveitado. “Estamos jogando fora uma Itaipu inteira com o potencial que não é aproveitado no campo e nas cidades com a geração de biogás”, comentou.
 
O próximo evento da associação será o Fórum do Biogás. Previsto para novembro, o fórum chega à sua oitava edição com a missão de disseminar informações sobre o energético e ampliar sua participação na matriz energética brasileira.
 
A íntegra do evento está disponível no site https://abiogas.org.br/seminario-tecnico-da-abiogas/ e no canal da ABiogás no YouTube.
 
Baixe aqui as apresentações dos palestrantes:
 

Painel 1

 

Paulo Cunha
 

Thiago Ivanoski

 

Painel 2

 

Luciano Rodrigues
 

Pietro Mendes

 

Isabela Coutinho

 

Comente aqui:

Sobre a Abiogás

Desde 2013, a ABiogás é o canal de interlocução entre o setor de biogás e sociedade civil, os Governos Federal e estaduais, as autarquias e os órgãos responsáveis pelo planejamento energético brasileiro.

Posts Recentes

Curta nossa página: